Fotos: Serguei, Daniel Romani, Fredera…

Serguei no Templo do Rock
Fazendo pose de Rock Star
Quarto psicodélico no Templo do Rock

Daniel Romani segurando a obra prima do Módulo 1000

Daniel Romani – Módulo 1000

Templo do Rock
Nossa repórter ninja Ana Paris Hilton e Fredera, do Som Imaginário

Essas foram alguns registros do que temos aprontado… aguardem os próximos capítulos!


Os cabeludos do rock psicodélico – Serguei, Daniel Romani, Luiz Simas

Depois de prometer, prometer e não escrever nada… um pouquinho sobre a nossa ida ao rio e etcs…

Antes de tudo:

1- Entrevistamos o Milton Nascimento por e-mail. Bituca falou sobre o Som Imaginário, sua relação com a banda, shows com o conjunto, psicodelia emuito mais. Um trechinho pra machucar os corações:

“[Sobre o disco Milagre dos Peixes – Milton Nascimento e Som Imaginário] Foi uma realização que foi muito importante para a música brasileira e que deu uma exata visão de que eu não tinha um gênero específico de música mas, sim que na minha música cabia todo tipo de som assim, como minha voz, violão e todos esses músicos.Nós fizemos uma gravação em estúdio mas o disco ao vivo é que se chamou Milton Nascimento e o Som Imaginário, baseado no show que estávamos fazendo. Nesta gravação fizemos Felicidade de Tom e Vinícius que gravei só com violão e arranjos que compus quando tinha apenas 16 anos, na cidade de Alfenas, MG. No disco Milagre dos Peixes já era outra coisa, um outro tipo de som. Mudaram alguns músicos e não se chamava mais Som Imaginário.”

2- Entrevistamos também o Arnaldo Saccomani, letrista e parceiro de Ronnie Von em sua empreitada psicodélica. Muito legal. O capítulo do Ronnie vai ser o primeiro a ser escrito, junto com a intro dução. Entregaremos estes dois textos para qualificação dia 15 de junho. Aguardem!

3- Ontem falamos com o Luiz Simas, tecladista do Módulo 1000 e também do Vímana. O músico mora hoje em Nova York e com a maior boa vontade, falou das duas bandas, contou histórias ótimas e vai nos mandar algumas fotos da época! Aguardem!

Sobre o RJ…

Passamos a tarde em Saquarema, no Templo do Rock, com Serguei e seus cachorros! Uma experiência inesquecível, com certeza. A casa é linda, muitíssimo bem cuidada pelo “Divino do Rock” – como prefere ser chamado. Tiramos mais de 200 fotos, gravamos dezenas de histórias e em breve postaremos trechos aqui no blog. Ah… um dia antes, na sexta feira, ele foi o personagem principal do Superpop, programa da Luciana Gimenez. Vou procurar uns trechos no Youtube e assim que tiver um tempinho, eu posto aqui.

Depois de Saquarema, seguimos para o RJ. No domingo entrevistamos Daniel Romani, um dos cérebros do Módulo 1000. Ficamos extremamente felizes com a entrevista. Realmente muito boa, com detalhes, nomes, datas e histórias que não imaginávamos. Assim que transcrita tb postaremos trechos e fotos aqui. E detalhe: O Daniel tem TUDO em relação ao Módulo 1000 guardado. Flyers, posters, discos, fotos – muitas fotos, recortes de jornais, revistas… Ele ficou de nos mandar uma parte desse material pra colocarmos no livro e aqui tb… aguardem…

bom, acho que é só!

Assim que tivermos novidades, vcs serão os primeiros a saber…rs…

Até mais


Da terra da garoa para a cidade maravilhosa…

Bom, como a aninha adiantou, estamos indo para o RJ entrevistar o Serguei no sábado… MAS NÃO É SÓ ISSO!!!!!
Vamos falar com o Daniel Romani, do Módulo 1000 e se tudo der certo, com o Mimi Lessa, do Liverpool e com o Fernando Gama do Vímana!

PS.: Este fds tem shows do Lobão em SP e no Rio. Nosso ex-psicodélico lança seu “Acústico MTV”.. quem diria, hein?

bom! wish us luck!

Em breve, fotos e videos do fredera… fotos do ronnie, etc e tal!


Serguei não morreu!!!

Quando tudo parecia perdido e já imaginávamos Serguei sendo devorado por uma matilha de cães selvagens, que teria invadido sua casa atraída pelo cheiro do cadáver, eis que…

O próprio resolve dar sinal de vida e liga hoje no meu celular: “Alô? Esse número estranho tá aparecendo um monte de vezes no meu bina, quero saber quem é que tá me ligando!”
“Sergueeeeeeei”…….

Entrevista marcada para este sábado, no Templo do Rock, em Saquarema (RJ). Se Jah quiser tudo dará certo, e ainda teremos um tempinho para tomar sol, sempre rainhas, em Ipanema. Aguardem…

Obs: o Tico e o Teco trocaram uma idéia e acabei descobrindo como postar…


Ele é Psicodélico! Serguei!

Olásssssssssssssss
Em meio a correria que assola o trio de (quase) escritoras psicodélicas um post! Estamos marcando entrevistas com as fontes cariocas no momento. Wish us luck pq o negócio tá bem amarrado, como imaginávamos… pop stars não falam com a ralé… mas, o que mais nos incomoda é uma questão: ONDE ESTÁ SERGUEI? Ele não atende o telefone! Será que está tudo bem? Ele está de férias? Viajando? Fazendo shows fora do Rio? Bom… Esperamos conseguir falar com ele em breve!
Enquanto isso, no lustre do castelo… uns videozinhos para animar a galera. São trechos do show que ele fez na Virada Cultural.
PS.: Ah… a Ana Paula entrevistou o Fredera, do Som Imaginário!!!! Aguardem…


Zé Guilherme – partes 2 e 3!

Yeahhhhhhhhhhhhhhh… para os que ficaram curiosos com a história de Zé Guilherme, mais dois vídeos… o resto, só no livro!

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=E44V59_PPAU”>


O outro lado da psicodelia de Ronnie Von

Segunda feira, estivemos na casa de Zé Guilherme. Economista, consultor empresarial e músico, entre outras atividades, ele foi o guitarrista da banda B-612, que gravou com Ronnie o antológico disco de 68.

Com 17 anos na época, Zé conta que era conhecido como “Zé Louco” e era o único não-careta na banda. Diz, também, que grande parte dos arranjos ‘psicodélicos’ do disco, as guitarras ultra distorcidas e os sons estranhos, foram viagens musicais de um bando de garotos – da banda, não de Ronnie. Damiano Cozzela, o maestro produtor, apenas teria dado um “toque final” e, em cartos casos, até “estragado” o trabalho dos garotos.

O papel de Ronnie teria sido apenas o de consentir o trabalho dos músicos – e a façanha do disco, diz Zé, não é do cantor, nem de Cozzela, nem de Arnaldo Saccomani, o autor da maioria das músicas, mas das pirações dos meninos que estavam ligados na música de fora.

Polêmicas à parte – deixaremos elas para o livro -, fiquem com os ótimos vídeos de bastidores, gravados na entrevista, em que Zé comenta algumas músicas.

Tem vários outro vídeos, o upload tá meio lento mas já, já eles pintam aí.