Psicodelia Brasileira Recomenda: Debate sobre Tropicalismo no RJ e site

Principal site do tropicalismo volta ao ar

DA SUCURSAL DO RIO

O principal site sobre o tropicalismo (www.tropicalia.com.br) voltou ao ar ontem à noite com uma série de páginas novas, como a que mostra Caetano Veloso e Gilberto Gil cantando, respectivamente, “Alegria, Alegria” e “Domingo no Parque” no festival da Record de 1967.
Criado em 2000 pela produtora cultural Ana de Oliveira, o endereço tem agora cerca de 600 páginas de conteúdo, que cobrem da pré-história do movimento, em Salvador, a seus desdobramentos no Brasil e no exterior.

O tropicalismo também será lembrado hoje num debate entre o diretor teatral José Celso Martinez Corrêa e o cineasta Julio Bressane, às 18h30, no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro (0/xx/21/3808-2020), com entrada franca.

 (Da Folha de S.Paulo, 24/10/2007)


Psicodelia Brasileira Recomenda: Debate sobre Tropicalismo

otropicalismo.gif

Uma revisão do Tropicalismo no Maria Antonia

Carlos Calado e Guilherme Wisnik são os convidados do Centro Universitário Maria Antonia para discutir o movimento tropicalista, na música, nas artes plásticas e em outras áreas, avaliando os resultados de sua intervencão na cultura brasileira, de uma perspectiva atual.

O debate Tropicalismo, uma análise 40 anos depois será realizado dia 23 de outubro, a partir das 19h, e inclui a exibição do documentário “A Revolução Tropicalista”, de Ives Billon e Dominique Dreyfus. A entrada é franca (com retirada de senhas uma hora antes).

Como disse José Celso Martinez, “68 foi uma revolução cultural que bateu no corpo”. No Tropicalismo, convergem as torturas da repressão política, a revolução libertária e a inclusão do espectador no espaço da obra de arte. Ele é o catalisador de uma relação inter-subjetiva que mistura experiência estética e programas de auditório. Mesmo com essa notoriedade, não foram poucos os desafetos que encararam a Tropicália apenas como um modismo. Com o passar dos anos, movimentos musicais como a Vanguarda Paulista, nos anos 80, ou o Mangue Beat, na década de 90, e em diversas outras áreas mostraram que a liberdade estética defendida pelos tropicalistas abriu caminhos para gerações posteriores da arte brasileira.

Carlos Calado é crítico musical e autor dos livros A Divina Comédias dos Mutantes (Ed. 34, 1995) e Tropicália: a história de uma revolução (Ed. 34, 1997). É colaborador da Folha de S. Paulo entre outros veículos de imprensa.
Guilherme Wisnik é arquiteto formado pela FAU-USP, mestre em História Social pela FFLCH-USP, autor de Caetano Veloso (Publifolha, 2005) e Lúcio Costa (Cosac & Naify, 2001). Assina uma coluna semanal no caderno Ilustrada, da Folha de S. Paulo.

Tropicalismo, uma análise 40 anos depois
com Carlos Calado e Guilherme Wisnik
23 de outubro
terça-feira, às 19h
gratuito (retirada de senhas uma hora antes)
 


Módulo 1000

Propaganda na Rolling Stone, em 1972:

Módulo 1000

Obs: Um viva para Daniel Romani, ex-guitarrista e vocalista do Módulo 1000, que nos presenteou com incontáveis preciosidades da época, organizadas e catalogadas.

Tati


Hare burger

Tá, vai. Não tem nada a ver. Mas uma merda de vez em quando, especialmente nesse final de ano tenso, vai bem.


Blog Action Day

Para provar que nós não somos só psicodélicas e alienadas da sociedade, o Psicodelia Brasileira está participando do Blog Action Day. É uma corrente internacional dos blogs, para divulgar temas relacionados ao meio ambiente. A única coisa que achamos pertinente para os dois temas – a psicodelia e o meio ambiente – é a teoria de Eduardo Leal, ex-integrante do Módulo 1000.

Abaixo, um trecho do email que ele mandou à Ana:

“(…) Estou formulando uma linha de pensamento, maluco, que se baseia no “pessimismo” consciente de que a humanidade já está condenada. Não adianta mais as campanhas de preservação do meio-ambiente para salvar o planeta. O estopim já foi aceso e o rastilho mortal já está se processando. Sendo assim acho que a ciência deveria dirigir seu foco para a mudança de planeta. Esta mudança, prevejo, será em módulos. Assim como teve o Módulo Lunar que levou o primeiro homem à Lua, fato que influenciou a escolha do nome do grupo. Nessa mudança, seguindo com minha “profecia”, o Módulo de número 1000, seria um veículo especial para os músicos brasileiros. Rs.

A discussão sobre o fim da humanidade, que digo que já está estabelecido, deve funcionar como terapia de choque nas pessoas e daí surtir o efeito do aceleramento do processo de conscientização de que algo urgente deve ser feito no meio-ambiente e principalmente no mental coletivo.

Sendo assim, a partir de agora, me coloco a disposição para descrever toda a minha teoria do apocalipse já em andamento no nosso meio.

Tenho desenvolvido pensamentos neste sentido. Veja os tópicos:

· Fim da humanidade já estabelecido. Não tem mais volta.

· O desenvolvimento da consciência ecológica não acompanha o processo de destruição.

· Canalização das energias inteligentes para a mudança de Planeta.

· Próxima morada em Vênus, local mais aquecido e com o esfriamento do Sol, ficará propício à nova morado do homem.

· A teoria do esfriamento da estrela indica que viemos de Marte.

· Sendo assim esta etapa já aconteceu antes.

· O homem viajando pelo Universo como um câncer, ou seja, onde estivermos vamos destruir.

· Se encontrarmos seres em outros planetas, vamos destruí-los ou escraviza-los. Fato que já vimos no passado na época dos descobrimentos.

· Com o desenvolvimento rápido da consciência poderemos prolongar a vida na Terra, mas o fim da humanidade, aqui, já é certo.

· Portanto vamos nos preparar para a grande viagem.

Bem Ana, temos uma teoria totalmente intuitiva e fora dos padrões científicos, mas é uma corrente de pensamentos. Se provocar polêmica será bom. Na base de tudo uma proposta para o Módulo 1000. Já tenho um rock pronto que usa estes argumentos. Se você se interessar envio a letra.

Já me alonguei muito. Paro por aqui, mas tenho muito mais a falar, a desenvolver e a pesquisar dentro destes tópicos. Retomando minha cabeça, que antes ficava alugada para a Empresa, volto a dar energia a minhas próprias filosofias, o que é muito bom”.

Bloggers Unite - Blog Action Day

Sugestão dada pela Carol.

Tati


Psicodelia nordestina, em 2007

 Lula Côrtes e Marco Polo. Discurso captado pelo gravador de Ana Paula em Recife.

Lula: Agora é agora, o tempo não espera por ninguém, não para.

Marco: Essa está no grupo de frases fantásticas, o tempo não espera por ninguém, o tempo não para.

Lula: Não espera mesmo, nem retroage. O máximo que a gente pode ter são boas lembranças. Eu fui andando com tudo que veio atrás, está acumulado de tudo aquilo, é impossível você olhar mesma árvore, porque ele não franze…

Marco: Você não olha nunca a mesma arvora. È outra árvore.

Lula: É outra?

Marco: Não tem jeito. (todos riem)

Lula: Nada, nada previsível. (continuam rindo)

Marco: Eu gosto desse doido, para caramba. (todos riem) Eu amo esse homem.

Tati


Psicodelia Brasileira Recomenda: Diabos e simpatizantes

Eu sei que não é brasileiro, mas quem gosta de música, quem lê estes escritos, com certeza vai simpatizar com o gringo em questão.

Convite de uma cabine que não fui… nhé…

Daylight Film e a 31º Mostra Internacional de Cinema de São Paulo convidam para a Cabine de Imprensa do filme: The Rolling Stones – Sympathy for the Devil, de Jean Luc Godard.”

Sinopse: Depois da proibição por parte do diretor Jean Luc Godard, que não reconheceu os cortes feitos pelo  produtor feitos no filme Sympathy for The Devil, as duas polêmicas obras serão exibidas juntas. Os filmes são documentários inusitados sobre a contracultura vivida nos anos 60 através do olhar de um dos grandes cineastas do século., ilustrados pelas imagens de uma das maiores bandas de rock, The Rolling Stones. One plus One é o primeiro director`s cut da história do cinema.

 OBS> Os filmes – One plus One e Sympathy for the Devil –  sairão em DVD em novembro – VIVA!!!

Para os que ficaram curiosos, nosso amigo youtube hospeda o trailer do dito cujo, ó:

Logo mais posto coisas novas que recebemos de Daniel Romani – fotos, lambe-lambes, cartazes e flyers de shows do Módulo 1000.

Aline