Paulicéia alternativa dos anos 70

“No início da década de 1970, eu praticava meditação em praça pública, mas não em qualquer uma. O parque Ibirapuera, dependendo do dia, era acolhedor para fazer ioga. Mas, como eu morava na fronteira entre Alto de Pinheiros e Pinheiros, escolhi a que hoje se chama praça do Pôr do Sol. Acho que teve um outro nome, mas fiquei feliz quando soube que o oficial ficou este, pois o grande show era, e continua sendo, o pôr do sol.

Lá perto, na Vila Madalena, eu alugava um estúdio com amigos artistas plásticos na rua Aspicuelta (quando ela tinha um pedaço sem saída) e dei as minhas primeiras aulas de ioga. Obviamente, não era esta Vila Madalena! Estava mais para um bairro do interior -um outro planeta sem bares, restaurantes ou livrarias.

Mas ser “alternativo”, “natureba” e praticante de ioga, naqueles tempos, era mais trabalhoso. Os restaurantes vegetarianos ou macrobióticos eram poucos. Se compararmos com hoje, pouquíssimos!

Tinha o restaurante Vegetariano Suíço da tia Lucia, bem grande, onde tudo era farto: saladas, sucos e a simpatia de uma senhora de uns 70 anos, típica suíça.”

Meu professor Sandro Bosco já era alternativo quando eu nem sonhava em nascer. E contou como era em uma crônica na Revista da Folha. Para ler o texto completo, clique aqui. (só assinantes).

Anúncios

Procura-se

Foi por acaso. Estava pulando de canal em canal – e domingo a noite, vocês sabem, é triste. De repente passei por um monte de hippies dançando aparentemente nos anos 60. Fui ver o que era, claro.

Era o filme “Procura-se”, documentário dirigido por Rica Saito em 2008. O filme narra a história do músico Mario Rocha/Edu Viola e seus amigos – a turma alternativa paulistana dos anos 60 e 70. Em cena, um monte de gente que eu nunca tinha ouvido falar. Depois de passar anos lendo e pesquisando sobre psicodelia brasileira, que vergonha, eu não conhecia nada daquilo.

Edu Viola é instrumentista e músico. Conheceu um monte de gente, compôs com um monte de gente. Tem um currículo de respeito. (aqui há informações sobre ele).O filme, porém, não fica só em cima do músico. Os depoimentos de gente como Carlos Caladol, Wanderléa e os amigos são intercalados por cenas de filmes da época, em Super 8, e cenas de ficção. É bem legal.

“Procura-se” foi exibido no É tudo verdade, em 2008, e também no É tudo mentira e no Nem tudo é verdade. Ele não é nem curta nem longa (tem 42 minutos), nem documentário nem ficção.

Em um depoimento gravado e exibido após o filme, Rica Saito disse que as sessões  ultrapassam a tela. Ao final da exibição, membros da plateia se levantam – entre eles o próprio Edu Viola – e começam a fazer um show (ou um happening, pra ficar nos mesmos termos). Assim:

Nós falamos no livro do pessoal do Rio, Pernambuco, Minas, Rio Grande do Sul. E quase não viemos para São Paulo. Talvez essa seja a peça que estava faltando. Para saber mais sobre o filme, vale conferir o relato pessoal e a entrevista feita por Gaía Passarelli.

 

ps> as informaçõs sobre ele são do coletivo sÓ