Procura-se

Foi por acaso. Estava pulando de canal em canal – e domingo a noite, vocês sabem, é triste. De repente passei por um monte de hippies dançando aparentemente nos anos 60. Fui ver o que era, claro.

Era o filme “Procura-se”, documentário dirigido por Rica Saito em 2008. O filme narra a história do músico Mario Rocha/Edu Viola e seus amigos – a turma alternativa paulistana dos anos 60 e 70. Em cena, um monte de gente que eu nunca tinha ouvido falar. Depois de passar anos lendo e pesquisando sobre psicodelia brasileira, que vergonha, eu não conhecia nada daquilo.

Edu Viola é instrumentista e músico. Conheceu um monte de gente, compôs com um monte de gente. Tem um currículo de respeito. (aqui há informações sobre ele).O filme, porém, não fica só em cima do músico. Os depoimentos de gente como Carlos Caladol, Wanderléa e os amigos são intercalados por cenas de filmes da época, em Super 8, e cenas de ficção. É bem legal.

“Procura-se” foi exibido no É tudo verdade, em 2008, e também no É tudo mentira e no Nem tudo é verdade. Ele não é nem curta nem longa (tem 42 minutos), nem documentário nem ficção.

Em um depoimento gravado e exibido após o filme, Rica Saito disse que as sessões  ultrapassam a tela. Ao final da exibição, membros da plateia se levantam – entre eles o próprio Edu Viola – e começam a fazer um show (ou um happening, pra ficar nos mesmos termos). Assim:

Nós falamos no livro do pessoal do Rio, Pernambuco, Minas, Rio Grande do Sul. E quase não viemos para São Paulo. Talvez essa seja a peça que estava faltando. Para saber mais sobre o filme, vale conferir o relato pessoal e a entrevista feita por Gaía Passarelli.

 

ps> as informaçõs sobre ele são do coletivo sÓ


3 Comentários on “Procura-se”

  1. carlinhos disse:

    cerca de 2 anos atrás rolou bate papo com moçada que fez
    a cena musical paulistana nos anos 70. se a memória não
    falha a organização foi da secretaria municipal de cultura
    de sampa. um dos presentes foi o Edu Viola. figuraça: tava
    de terno e gravata – disse que ia para um casamento???
    o cara é arquiteto, maluquérrimo, bem clima anos 70.
    foi grato prazer ver ao vivo e a cores um legítimo
    participante da contracultura paulistana que ainda é o que é
    sem se sentir fora do tempo [pelo menos deixou essa impressão]

  2. coletivoso disse:

    as informaçõs sobre ele são do coletivo sÓ.

    créditos, please


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s